Todos os posts em 2017

a música mais importante da minha vida

23 . 12 . 2017

Eu sempre achei muito difícil nomear uma música, álbum, cantor/a ou banda favorita. E, com o passar dos anos e fases da vida, essas preferências foram mudando muito. Tanto que, hoje, eu não saberia selecionar com clareza essas coisas pra agora, que dirá pra sempre.

Mas, certamente, se me perguntarem qual a música mais significativa da minha vida, qual a que sempre me faz chorar, qual a que me lembra algo importante, intangível, eu nem penso duas vezes:

Fix You é a minha música de cura da perda de 19 de junho de 2008: meu pai. E lembro do tanto que me tocou, em 2010, ter feito minha primeira viagem sozinha, pra SP, pra turnê Viva La Vida, hospedada na casa de um tio de painho. Foi um turbilhão de emoções, com direito a esquecer ingresso no Recife e recuperar no dia do show. E haja choro no Morumbi.

Não consigo e nem quero segurar ele, inclusive, sempre que a escuto. Hoje, véspera de véspera de Natal, me deu uma vontade imensa de ouvir ela de novo, em looping. E bateu uma curiosidade sobre a história da letra, já que nunca fui atrás disso porque acho que a minha interpretação sempre me bastou.

Aí eu descubro que Chris escreveu a música pra Gwyneth, agora sua ex-esposa, logo depois que o pai dela faleceu por causa de um câncer. Ela contou isso em uma entrevista em 2015.

Gwyneth Paltrow conheceu Chris Martin somente três semanas depois da morte do pai.

“‘Fix You’ was about him trying to put me back together after my dad died.”

Olha, eu nem sei o que dizer. É possível amar alguém que a gente não conhece?

Chris, eu te amo por isso.

-    , , , ,  -


when you awake inside

02 . 12 . 2017

lança o barco contra o mar
venha o vento que houver
e se virar, nada

pega a mala que couber
vira a estrada sem saber
e se perder, calma

eu não sei nem por onde começar.

penso que posso dividir 2017 por sentimentos ou conclusões adquiridas sobre tudo pelo que passei. agora, ouvindo essa música do rubel, eu me vejo analisando esse turbilhão todo como um grande oceano, aquele mar que sempre aparece nos meus sonhos, que sempre me amedronta e me encanta.

para 2017, meu único desejo era que ele fosse leve. foi a última coisa que ele foi. pesado, intenso, cheio.

em 2017, eu naveguei por mares que me ensinaram que não se navega sem dor.

mas fui feliz aqui. fui feliz, mas nunca é o suficiente. porque sempre que você parar pra pensar, você vai querer um tantinho mais de felicidade. você vai querer mais tempo na cama sem fazer nada, vai querer repetir uma viagem, vai querer conhecer um lugar novo. isso é incrível e é possível sempre, é saudável. mas e quando seus quereres estão entrelaçados com outras pessoas? como você faz quando o seu querer permanece e o do outro muda?

esse ano me ensinou a ressignificar. se 2016 foi um ano difícil, cheio de obstáculos e dias malucos inconstantes, dúvidas, medos, 2017 foi o ano da perda. o ano de se perder e se encontrar dentro do não-querer. de fazer escolhas a partir de cenários não escolhidos. de se adaptar.

dói um pouquinho todo dia. histórias que foram e não são mais, expectativas (sempre elas) frustadas, saudade.

mas aí você acorda por dentro. e percebe que, de alguma forma, deixando os pedaços pelo meio do caminho, você continua navegando.

-    , ,  -


das paredes brancas

14 . 10 . 2017

vez ou outra, eu acho uma dor diferente pra chorar.

hoje, a culpa foi das paredes brancas. um branco gelo, meio lá, meio cá. eu olho pro terceiro quarto da minha vida, inacabado, vazio. eu olho pra placa amarela, ressignificada.

todo dia, uma dor diferente pra chorar.

vez ou outra eu engulo, eu disfarço, eu bebo o choro. eu como, eu mastigo, estraçalho. ou eu nem sinto. mas todo dia, essa sensação de vazio das paredes brancas preenche alguma coisa. se é mágoa ou tristeza, eu nem sei mais.

de tudo, o que cansa é não conseguir escrever pra passar. porque sempre passa. essa ânsia de hoje, de colocar pra fora, é uma mistura de vazios, de perdas de um ano que vai terminando com paredes brancas, inacabadas, incertas, incompletas.

um ano que vai terminando mas que não terminou. e que, pelas minhas contas, vai fechar com uma perda a mais.

aí a gente tenta e escreve de novo. que passa.

-      -


cinco

18 . 08 . 2017

há cinco meses, minha vida estava mudando loucamente. era dia de festa, de riso. era dia de sonho, de compartilhar, de trocar. há cinco meses, todos os planos de futuro pareciam o melhor dos mundos. o amor transforma coisas pequenas em grandes, supera barreiras, mexe com tudo na vida. acho que crer nisso não é ser romântico nem piegas. é simplesmente se entregar.

eu sempre usei meu espaço aqui pra falar da vida e das coisas que amo nela. de uns tempos pra cá, achei que era um problema não fazer mais isso, porque, na verdade, eu passo meu dia escrevendo, trabalhando, testando formas. faltava tempo e vontade. aos poucos, percebi que tudo bem. mesmo sem escrever sobre a vida, eu seguia vivendo.

hoje, já não me sinto à vontade pra escrever sobre tudo. talvez tenha virado algo sem sentido descarregar momentos aqui. só que também é aquela coisa: sinto necessidade de botar pra fora e encontrar mais gente “sentindo” como eu. e esse texto sem pé nem cabeça, que começou sobre o amor e a dor de hoje, termina do mesmo jeito que foi a semana: no caos. sem objetivo, sem contexto, só pra existir. só pra não engasgar.

por dentro, mesmo que ele se machuque e não se situe, o coração segue aberto. sempre.

-      -