Tudo sobre música

a música mais importante da minha vida

23 . 12 . 2017

Eu sempre achei muito difícil nomear uma música, álbum, cantor/a ou banda favorita. E, com o passar dos anos e fases da vida, essas preferências foram mudando muito. Tanto que, hoje, eu não saberia selecionar com clareza essas coisas pra agora, que dirá pra sempre.

Mas, certamente, se me perguntarem qual a música mais significativa da minha vida, qual a que sempre me faz chorar, qual a que me lembra algo importante, intangível, eu nem penso duas vezes:

Fix You é a minha música de cura da perda de 19 de junho de 2008: meu pai. E lembro do tanto que me tocou, em 2010, ter feito minha primeira viagem sozinha, pra SP, pra turnê Viva La Vida, hospedada na casa de um tio de painho. Foi um turbilhão de emoções, com direito a esquecer ingresso no Recife e recuperar no dia do show. E haja choro no Morumbi.

Não consigo e nem quero segurar ele, inclusive, sempre que a escuto. Hoje, véspera de véspera de Natal, me deu uma vontade imensa de ouvir ela de novo, em looping. E bateu uma curiosidade sobre a história da letra, já que nunca fui atrás disso porque acho que a minha interpretação sempre me bastou.

Aí eu descubro que Chris escreveu a música pra Gwyneth, agora sua ex-esposa, logo depois que o pai dela faleceu por causa de um câncer. Ela contou isso em uma entrevista em 2015.

Gwyneth Paltrow conheceu Chris Martin somente três semanas depois da morte do pai.

“‘Fix You’ was about him trying to put me back together after my dad died.”

Olha, eu nem sei o que dizer. É possível amar alguém que a gente não conhece?

Chris, eu te amo por isso.

-    , , , ,  -


Eu não aguento mais uma dança

25 . 07 . 2016

Vou me empenhar para tentar começar – mais uma vez – uma série aleatória de posts. Já tentei surra de links, já tentei projeto pra ver todos os filmes de um ator – dito cujo que nem curto muito atualmente – e agora eu estou numa nova empreitada.

Vamos falar sobre a música grude do momento.

Eu espero que postando One Dance, do Drake, alguém pegue o vício e ele saia de mim. Obrigada.

Mas o Drake, aaaah, o Drake. Pode continuar sendo lindo que eu aguento.

Gif: Buzzfeed

-    , , ,  -


De repente 15

26 . 06 . 2015

Eu poderia fazer um post falando sobre a minha dificuldade em escrever pro blog no último mês (quase dois meses agora. Quando fiz esse rascunho, não era tanto =/), ou sobre o meu cansaço com a rotina nova, depois de mais de um ano vivendo no meu ritmo louco, e a dificuldade de organizar meu tempo livre. Poderia e até escrevi alguma coisa, mas não vou. Deixa eu falar de coisa massa. Com atraso, mas não menos massa.

O dia que eu fui pro show de Backstreet Boys. Pela segunda vez <3

Todas as fotos ficaram ruins, desse nível pra baixo

Todas as fotos ficaram ruins, desse nível pra baixo

Quem diria que, depois dos 20 e tantos anos e da febre das boys bands já ter acabado há um bom tempo, eu iria ter o privilégio de ver a melhor e maior de todas duas vezes nessa vida. E, importante lembrar, na minha cidade! haha. Lembro que, da outra vez, cogitei comprar um frontstage e não fiz pois: salário de estagiária. Dessa vez, continuo vendo que não evoluí muito nos gastos/ganhos e mal poderia torrar 350 dilmas no front, mas estava disposta a fazer essa loucura. Aí os ingressos acabaram. Fui pra pista de novo.

O lance é que o show não foi menos que maravilhoso. Claro, eu acho que teria sido muito mais legal pegar a toalha cheia de suor de Nick lá na frente, mas esse show foi bem melhor que o outro, e como é bom dizer isso quando você duvidava que precisava de outra dose desse crush na vida. Eles são simpáticos, conversam, respeitam um público que os conhece há muito tempo. É um reencontro com muita coisa boa, sabe? Um lembrete de como nossa adolescência foi massa – e até ~lasciva, com tanto homem lindo descamisado passando na MTV.

como é bom ter 15 anos de novo ❤️ #backstreetsback

Uma foto publicada por Jacqueline França (@jacquesfranca) em


Gritei, pulei, me emocionei como se tivesse 15 anos, como o Nick pediu. Amei cada um deles no palco, incluindo os ~meio rejeitados Howie (“Marta, ele é gato também, vai!”) e AJ, meu cafuçu preferido. Enfim, sobre o show mesmo vocês já devem ter lido por aí, porque eles já passaram no Brasil todo e parece que foi incrível sempre. Eu só precisava tirar esse blog do limbo e dizer: porra, que momento.

Recomendo demais a todos. Nunca é tarde, sempre pode :)

-    , , , ,  -


O que não apareceu na capa do álbum: versão divas

27 . 04 . 2015

Um tempo atrás, postei aqui sobre o The Bigger Picture, um projeto que mostrava uma “ideia” do que ficava de fora da imagem de uma capa de álbum. Um trabalho danado de uma agência de design e que eu achei massa. Agora, um designer resolveu juntar capas de álbum de atrizes e cantoras do mundo pop com pinturas antigas, mulheres com roupas de época e coisas do tipo. Mais do mesmo, só que legal :)

the_bigger_picture_divas (1)

the_bigger_picture_divas (2)

the_bigger_picture_divas (3)

the_bigger_picture_divas (4)

the_bigger_picture_divas (5)

Mais aqui.

-    , , , , , , , ,  -